Realidade Aumentada na Indústria: benefícios e aplicações

A Realidade Aumentada faz parte do mundo 4.0 e em conjunto com outras tecnologias, como IoT (Internet das Coisas) e ML (Machine Learning), conecta o mundo físico e digital revolucionando a forma como controla e gerencia uma empresa criando fábricas cada vez mais inteligentes e eficientes.

Inicialmente, o primeiro setor que explorou a realidade aumentada foi a área de marketing e vendas através da interação do cliente com o produto de maneira virtual e visual, facilitando a compreensão e impactando as vendas positivamente. Um exemplo, foi a Coca-cola que criou uma campanha com seus maiores símbolos da época, o urso polar. As latinhas da Coca continham um QR CODE onde a realidade aumentada possibilitava aos ursos criarem vida após serem lidos com um app no smartphone

Um dos maiores e mais conhecido exemplo da realidade aumentada no Brasil e no mundo é o gamer Pokémon Go. Dentro do jogo, o usuário consegue ver o Pokémon ao ligar a câmera do celular dando a impressão de que o desenho está realmente no mundo real. Esse jogo deu visibilidade a realidade aumentada, conquistou milhões de pessoa e foi ganhando mais e mais espaço.

Mas hoje, a realidade aumentada deixou de ter foco somente na questão do marketing e apesar de ser ainda uma aplicação nova, a realidade aumentada chegou com tudo na indústria. Muitos são os benefícios como: aumento da produtividade, redução de custos, diminuição do tempo de manutenção e inspeção, aprimoramento da segurança e ajuda no controle e tomada de decisões rápidas e bem qualificadas.

Como aplicar a Realidade Aumentada na indústria?

A realidade aumentada tem um grande potencial de mudar a forma como produzimos, fabricamos e consumimos, nos mais diversos setores. Na indústria, vamos destacar os principais:

Segurança no monitoramento da produção a distância e em tempo real

Através da RA, é possível monitorar remotamente produtos e equipamentos: saber se ele apresenta algum defeito, quais são os defeitos, em qual etapa do processo de produção ele se encontra, velocidade da produção, entre outros.

Dispositivos RA, como óculos, tablets ou smartphones, oferecem experiências de realidade aumentada para trabalhadores conectados garantindo a transmissão de informações de forma clara, simples, rápida e em tempo real.

A RA sobrepõe informações digitais em sua visão do mundo físico para que você possa “ver” coisas como por exemplo, dados dos produtos, instruções de trabalho, componentes ocultos, limitações no seu ambiente onde há áreas restritas, alertas em tempo real conectado a uma geração de dados enquanto interage simultaneamente com seu ambiente. Esses dados podem estar vindos de sensores, um PLC, um banco de dados ou de um outro sistema.

Outro ganho real da realidade aumentada, é a criação de maquetes ou protótipos digitais em tamanho real para ser simulada dentro de uma linha de produção. Com uma maquete ou protótipo digital, que tenha as dimensões reais ao seu projeto final, você consegue calcular as interferências e realizar com um baixo custo adequações necessárias em função das possíveis interferências, minimizando possíveis custo de produção de um protótipo físico, antecipando possíveis falhas e ajustes.

Manutenção de equipamentos

Na área de manutenção é possível, através da RA, agilizar e tornar mais eficiente o processo de manutenção e reparo de equipamentos fornecendo uma “visão de raio-x” das máquinas e processos produtivos.

Integrando a plataforma de IIoT (Internet das Coisas Industrial) conseguimos, durante a experiência de RA, criar check-list para alimentar um banco de dados ou sistemas de manutenção. Dessa forma é possível registrar o passo a passo que o operador realizou, o que ele precisou fazer, se obedeceu a alguma regra, etc.

Outro exemplo, é quando um equipamento necessita de manutenção corretiva ou preventiva, o técnico pode acessar o datasheet, consultar manuais, tutoriais e instruções em tempo real, sem utilizar as mãos, durante a manutenção.

Se um operador não consegue consertar uma máquina, pode usar óculos inteligente e transmitir o que vê, em tempo real e a distância, para um especialista que pode resolver o problema de onde estiver, passando instruções também via RA.

Treinamentos na fábrica

Um dos usos mais comuns para a realidade aumentada na indústria é na realização de treinamentos mais qualificados e simulações, de forma simples, interativa e podendo ser repetida várias vezes. Você pode simular tarefas, capacitar e treinar pessoas antes de realmente enfrentar um ambiente real, assim, seus colaboradores se tornam mais preparados para a atividade real, evitando erros, desperdícios e acidentes.

Com os treinamentos via RA, a fábrica pode aumentar a produtividade e segurança dos colaboradores e processos. A melhora nos treinamentos contribui também, para a criação de uma cultura mais preventiva e segura na empresa.

Por onde começar?

O investimento em experiência de Realidade Aumentada vai além do visual. Uma grande vantagem de aplicação da RA na indústria é assegurar o patrimônio intelectual da sua empresa. É muito comum, os colaboradores mais antigos armazenarem todo o conhecimento durante anos e anos de experiência numa tarefa. Posteriormente, ou ele aposenta ou se afasta e a empresa acaba perdendo o patrimônio intelectual.

Os 3 pontos mais importantes para começar são: Pense grande, comece pequeno e cresça rápido.

Para começar um projeto pequeno você pode começar numa pequena linha de produção ou numa experiência única, com isso você produz rapidamente e ganha escala, e a partir daí você amplia esse projeto de forma ágil. Em pouco tempo, você atinge um processo inteiro de uma planta industrial, compartilhando informação e dados de forma real e segura.

Vale ressaltar a flexibilidade que temos dentro do desenvolvimento da realidade aumentada ao trabalhar com modelos 3D. Hoje é muito fácil você criar experiências com modelos já existente, modelos aos quais a empresa já utiliza em outros setores, sem a necessidade da criação de novos modelos, isso facilita bastante a criação de uma experiencia de forma rápida.

O importante é que dentro do mundo 4.0, você não precisa contratar uma solução enorme que necessite ser implantada de uma única vez em toda a planta. Existem plataformas robustas em que você vai desenvolver sob medida, de forma escalonada e 100% personalizada, mas ao mesmo tempo, de forma eficaz e rápida. Não precisamos ter meses de desenvolvimento para apresentar resultados, podemos ter um projetos de desenvolvimento rápido com grandes resultados.

Manutenção preditiva, preventiva e corretiva: o que são?

Os custos relacionados à manutenção representam boa parte das despesas operacionais do processo produtivo de uma planta fabril. Diante deste fato, muitas empresas utilizam metodologias diversas para otimizar seus processos e, consequentemente, reduzir os custos diretos e indiretos. É importante destacar que muitas vezes a aplicação de uma metodologia em um processo produtivo implica na reestruturação de diversas camadas da companhia e não somente no chão de fábrica.

Para buscar os resultados de performance produtiva, as empresas precisam aumentar diariamente a disponibilidade de máquina. Para isso, diversas técnicas de manutenção são aplicadas para obtenção do resultado esperado. Dentre as técnicas mais difundidas e utilizadas no mercado, destacam-se:

– Manutenção Corretiva: Neste procedimento, ocorre a atuação nos equipamentos para corrigir falhas, quebras/defeitos ou baixo desempenho, realizando intervenções que façam com que as máquinas retornem à operação normal. A manutenção corretiva só será indicada se existir falha que não pode ser prevenida.

– Manutenção Preventiva: Este procedimento é comumente utilizado em grande parte das companhias para checagem periódica de máquinas e equipamentos com o objetivo de prevenir possíveis falhas futuras. O procedimento demanda uma parada de processo e a disponibilidade de mão de obra especializada para a execução da atividade.

– Manutenção Preditiva: O objetivo principal é a redução de custos e o aumento da produtividade. Através deste procedimento, a própria máquina deverá informar aos responsáveis o momento da necessidade de uma intervenção no equipamento. Desta forma, os custos relacionados com paradas de produção periódicas e programação de mão de obra poderão ser reduzidos consideravelmente.

Pode-se afirmar que a Manutenção Preditiva não é um produto de prateleira, sendo necessário um estudo e desenvolvimento para cada situação e/ou equipamento. A manutenção preditiva utiliza alguns pilares da Indústria 4.0 para o seu funcionamento, como por exemplo: IoT (Internet of Things), Data Base, Data Analytics e Machine Learning.

Também são utilizados dados, modelos matemáticos e técnicas de aprendizado de máquina para identificar a probabilidade de resultados futuros a partir de dados históricos e antecipar um possível problema. O objetivo é ir além de saber o que aconteceu para obter uma melhor avaliação do que poderá acontecer no futuro.

A Manutenção Preditiva deve ser realizada por profissionais habilitados com capacidade para desenvolver algoritmos em plataformas de TI, integrando-os com o processo existente no cliente, de forma a criar um modelo de máquina/processo, e buscar a tão almejada informação preditiva. Assim, é possível melhorar indicadores de produção/manutenção e, principalmente, evitar perdas, obtendo-se, consequentemente, a redução de custos.

Texto escrito por: Bruno Luiz da Silva – Engenheiro de Automação